domingo, 30 de dezembro de 2007

Capítulo XXIII - Felix ad semper

video


(NÃO LEIAM O ÚLTIMO CAPÍTULO SEM CARREGAR ESSA MÚSICA DE FUNDO...)

Vaavu. Uma das regiões da República das Maldivas, famosa por seu conjuntos de atóis, verdadeiras raridades marinhas de extrema beleza. As Maldivas são, antes de tudo, um paraíso fiscal. Em outras palavras, mias uma das regiões autônomas onde a lei facilita a aplicação de capitais de origem desconhecida, protegendo a identidade dos proprietários desse dinheiro, ao garantirem o sigilo bancário absoluto.

A república se localiza no Oceano Índico ao sudoeste do Sri Lanka e da Índia, ao sul do continente asiático.

Esse
paraíso, de raríssima beleza, havia sido um local perfeito para transações bancárias, através das quais o dinheiro de uma conta conjunta de Yuri Calabria e Letícia Barros fora transferido. Quem assinava a nova conta era Scharlett Johansson Hathaway, uma gata loira com passaporte britânico... Ao entrar no resort maldívio e perguntar pelas suas reservas, a empresária, cujo único defeito em sua aparência física era uma cicatriz quase que imperceptível no canto do rosto, deixava os hóspedes de queixo caído.






Seu companheiro, Josh Havens, era um moreno musculoso de uma lábia impecável. Em pouco tempo ficaria famoso no resort pelos "relacionamentos abertos"...


----------------------------------------------------------------------------------

Dois anos se passam... Mauro, a esposa e o filho estão de férias. Na varanda do hotel em Florianópolis, o casal conversa. "Sabe o que eu acho mais legal depois de todo esse tempo que eu te conheço?" Mauro passa a mão no rosto de Isadora. (beijo) "O que?" "Saber que o amor e o coração são mais fortes que a cabeça e a razão. O amor supera tudo! O amor vence tudo... Diria uma professora de latim que AMOR VINCIT OMNIA..." (beijo) "E eu te amo cada vez mais, como se fosse a primeira vez..." (beijo)

Mauro: "Você é a pessoa mais importante na minha vida." "E eu, papai?" - pergunta João Pedro entrando na varanda, e pulando no colo do pai. "Tá bom... Vocês dois são as pessoas mais importantes na minha vida..." "Amor, deixa eu corrigir... Nós três então! Eu, o João Pedro e nossa filha..." - diz Isadora alisando a barriga.
"Mãe, você tem uma filha?" "Vou ter, meu amor... Sua irmãzinha está aqui oh..." Isadora mostra a barriga. "E como é que ela entrou aí dentro?" Mauro faz cócegas no filho. "Isso você entenderá um dia, mocinho..." "Papai, vocês acham que me enganam? Eu já vou fazer quatro aaaaanos!" Bruno mostra a idade com os dedos. "Ah, sim, senhor Grandão..." "Eu vou cuidar da minha irmãzinha..." "É mesmo?" - pergunta a mãe. "Aham!" João Pedro corre pra brincar.

Isadora abraça o marido. Ela respira fundo e indaga: "E a Letícia hein?! Que fim será que levou?" "Nem quero saber... Ouvi dizer que ela fez cirurgia plástica... Já dizia a maravilhosa autora Verônica Shoffstall que um dia você aprende diversas coisas, inclusive que paciência requer muita prática... Ela vai ser infeliz para o resto da vida, se passando por alguém que sequer existiu..." "Seja lá onde ela estiver, tenho pena dela... (olhando para Mauro) Ela não sabe o significado do verdadeiro amor!" Mauro e Isadora se beijam.

"Uma filha, né?! Você não poderia me dar notícia melhor..." (beijo) "Eu te amo!" "Eu te amo muito também..." Como um furacão, João Pedro entra no quarto... "Papai... Tia Grazi e tio victor chegaram de viagem..." "Tá bom, filho! estamos indo..." "Ah, e a Duda tá uma gatinha!" "Esses dois..." "Fui..." João Pedro volta correndo...

Grazi: "Oi, casal feliz!" Mauro: "Entra aí, gente!" Grazielle, Victor e a filha ficam no quarto ao lado. Victor: "Animados para as férias?" Os quatro amigos se abraçam. Isadora: "Ai nem parece que estamos aqui!"

O verão passa maravilhosamente. Todos estão felizes, afinal:

"O AMOR É O MAIS BELO DOS SENTIMENTOS. VOCÊ PODE SE MACHUCAR, MAS AMAR É A ÚNICA MANEIRA DE SE ATINGIR A PLENA FELICIDADE!"


------------------FIM--------------------

Douglas Lemos Monteiro dos Santos

Capítulo XXII - Confusio terminat

O condomínio em que Isadora morava não tinha muro entre as casas. Esse detalhe arquitetônico norte-americano agradara muito o casal quando eles foram comprar a casa, mas agora estava preocupando Mauro. O advogado e Fernando arrombam a porta dos fundos da casa e, como já era de se esperar, logo ouvem a voz de Letícia...

Com uma lanterna na mão e uma arma na outra, a loira, aos berros, diz que vai matar Isadora. Mauro consegue reacender a luz. Ao chegar na sala, Mauro se desespera ao ver Isadora amarrada numa cadeira e Letícia apontando a arma pra ela. "Se você não for meu, dela também não será!" "Calma, Lê, vamos conversar..." "Conversar? Eu já esto de saco cheio dela! Desde aquele maldito dia que você me trocou por essa... (Letícia bate com a arma na cabeça de Isadora) Por essa mosca-morta aqui, eu não vivo mais! Meu amor, será que você não vê que ela atrapalha a gente?"

Victor também chega ao local e, ouvindo as palavras de Letícia, ele cochicha no ouvido do amigo. "Ela enlouqueceu de vez... Aproveite-se disso, brother!" Mauro tem uma idéia interessante. Ele olha pra Letícia com um olharzinho apaixonado e diz: "Quer saber? É mesmo! Essa mosca-morta nos atrapalha... Você sabe que eu nunca gostei dela, não sabe?!" "Sério?" "Eu sempre fui apaixonado por você, Lelê..." "Ai, que lindo!" "Então... Você me dá essa arma, a gente vai embora e vai ser muito feliz!" "Tem certeza que você não está falando isso só pra me tirar a arma?" "É claro que eu te quero, meu... (Mauro engole a seco) meu amor!"

Isadora está aos prantos. "Vai... Me dá essa arma. Deixa que eu acabo com a Isadora." "Aí, viu, sua tonta? Achou que pudesse tirá-lo de mim?" Letícia põe a arma no chão e joga pra Mauro. Mais que depressa, ele pega a arma e aponta pra loira. Alterando o tom de voz, ele diz: "Você achou mesmo que eu fosse matar a Isadora, Letícia?" "Bebê, você mentiu pra mim!" "Uma vez no meu casamento, eu falei que te matava se você tentasse nos separar de novo, lembra?" Isadora fica nervosa e começa a ficar tonta.

Isadora grita: "Meu amor, não faz isso!" Mauro olha pra Isa. "Eu preciso faze isso pra que a gente tenha paz..." Letícia: "Me mata logo! Acaba logo com isso... Eu prefiro morrer a ver você nos braços de outra." "É mesmo?" - diz Mauro preparando a arma. Letícia começa a provocá-lo: "É... Vai! Crava essa bala no meu peito, vai... Anda!" Isadora nervosa: "Por favor, Mauro, não faz isso... O que ela quer é que você a mate e vá preso! Como que eu fico sem você?" "Cala a boca, Isadora! Olha, Mauro, se você não me matar, eu juro que eu volto e faço um inferno na vida de vocês!" Mauro pensa bem e começa a abaixar a arma.

Letícia, muito esperta, começa a abrir o jogo... "Olha, eu acharia melhor você acabar comigo... Eu sei bem o que aconteceu naquela noite de Natal!" "Tá vendo, meu amor? Ela quer me incriminar também no assassinato de Marianne..." "Cala a boca, estrupício! Bem, naquele dia, o que a burra da dentistazinha não sabia é que, enquanto ela dava uns bons pegas no Paulão, eu, o marido dela Leozinho, a gorda traída por Paulão, enfim... Essa galerinha fazia verdadeiras orgias lá em casa!" Mauro se assusta. "Meu Deus, você não vale absolutamente nada!" "Pois é, Maurinho. Acontece que a vaca me liga dizendo que havia desistido de pactuar comigo! Não tivemos outro jeito..." "Tivemos?" "Claro, besta! Você não achou que tudo que eu fiz, eu agi sozinha né?! O Leozinho era detetive, e ainda era seu vizinho... Você foi tão tonto, queridinho..." "E você que matou a Marianne?" "Bem, a parte das facadas em si eu deixei para a gordinha... Foi uma verdadeira troca de casais! Marianne com o Paulão, enquanto a gordinha ficava com Leozinho... Comigo também, e com outros amigos também..." (gargalhadas)

Isadora tenta se soltar das cordas. "Enfim, a baleia esfaqueou Marianne, eu tive a sorte de encontrar aquela bendita faca na cozinha da sua casa, suja de sangue ainda... Certamente era sangue seu ou de Maurinho... Foi um trabalho de mestre! Eu, Leozinho e a mulher do 35..." "Agora eu mato você!" "Isso, meu amorzinho... Estou esperando por isso há alguns minutos!" Isadora: "Não, amor, não..." "Maurinho, eu amo você..." "Cala a boca, Letícia!" "Ai, aperta logo esse gatilho!"

De repente, ouve-se um forte estrondo de revólver. Letícia cai desacordada pra frente, com eu tiro nas costas. Isadora chora e Mauro procura por quem atirou. "Fui eu!" - responde logo Fernando pulando a janela. "É o mínimo que eu pudia fazer por vocês depois de tudo que eu aprontei..." Isadora enxuga as lágrimas e abraça Fernando. "E você vai preso agora?" "Creio que não... Não atirei pra matar. Certamente a Letícia não morreu, e vou responder por tentativa de homicídio... Estamos no Brasil, meu bem, qualquer advogado alegando que sou réu primário e ainda tenho curso superior completo consegue me livrar... Não fico nem 3 meses preso..."

Mauro cumprimenta Fernando. "Valeu, cara! Para um professor de Literatura, você tá bem entendido de Direito hein, moço?" "Levei seis meses contigo na França, cara, alguma coisa eu tive que aprender..." (risos) Mauro abraça Fernando. "O que eu não podia deixar mesmo era que você fizesse essa besteira e fosse preso..." O delegado Alezinho, que estava ali ouvindo tudo, pede desculpas a Isadora, mas alerta que Leozinho está foragido.

Alguns meses depois... Letícia havia saído do coma, e desaparecera do hospital.

Mauro e Isadora são padrinhos do casamento de Grazielle e Victor. A festa é linda e os noivos estão super apaixonados. Tudo segue bem e os recém-casados ão passar a lua-de-mel em Angra dos Reis.

sábado, 29 de dezembro de 2007

Capítulo XXI - Sapor ultionis

O delegado Alexandre chega à casa de Isadora, que está amamentando o pequeno João Pedro. Ele diz que precisa levá-la, porque as investigações indicam seu nome como a suspeita número 1 do assassinato de Marianne. "As impressões digitais de uma das facas encontradas na cena do crime eram da senhora e havia sangue da senhora na própria faca..." "Meu Deus, eu cortei a mão nesse dia e..." Mauro chega com as malas e ouve a conversa. "Sinto muito, senhora... Há alguém que possa ficar com o bebê agora?" "Eu sou o pai da criança, mas a mãe dela não vai a lugar algum..." "O delegado aqui sou eu..." "E eu sou marido da acusada e advogado!" "Como advogado o senhor deve saber que, sendo marido dela, não pode defendê-la num tribunal, mesmo porque também é suspeito..." "Eu não disse isso... Só disse que sou advogado! E eu e o senhor sabemos que, como ela é ré primária, está em licença-maternidade, e tudo mais, há todos os requisitos legais objetivos e subejtivos para que, por impetração de habeas corpus, ela permaneça em casa nos próximos dias..." "Tudo bem, o senhor tem razão..." "Obrigado!" "A senhora então compareça à delegacia amanhã logo pela manhã..." O delegado Alezinho sai, deixando o casal a sós...
"Por que você veio aqui dar uma de advogado do diabo hein?" "Calma, Isadora, a gente precisa conversar..." "Ah, quer saber, Mauro?! Cansei de você... Vai procurar a Letícia, vai... Afinal, você já tá com ela há 3 meses..." Isadora sai, deixando Mauro sozinho em casa... Ela vai à casa de Grazi, se consolar com a amiga.
Grazielle, que já sabia de tudo, inclusive da promessa de Mauro, revolse abrir o jogo com a amiga. "Quer dizer que ele fez isso pra me salvar?" "Foi..." "Eu estou chocada... Ai, essa mulherzinha, eu..." "Se ele tá lá com ela é porque ela é pior que imaginávamos, amiga! Eu era amiga da Letícia desde a adolescência, mas ela foi se transformando e virou isso que é hoje..." "Então ele me ama mesmo..." "Amo, sua boba!" - responde Mauro, chegando à casa de Grazi, com João Pedro no colo. "Agora você entende porque não podemos ficar juntos?" Isadora abraça o marido e o filho. "Claro que eu entendo, meu amor!" "Eu nunca deixei de amar você... Grazi, eu posso passar a noite aqui?" "Claro, Maurinho..." "Obrigado... É que eu vou viajar amanhã!" "Viajar?" "É... Eu recebi uma ligação agora há pouco, de uma pessoa nada convencional... Há um caso pra que eu defenda na França... Ficarei seis meses em Poitiers, no estado de Vienne, não muito longe de Paris... O que me une à Letícia é uma dívida absurda, mas esse caso é de um milionário francês que quer processar logo quem? Doutor Yuri Calabria, que descubri ser o médico mais pilantra da Europa Ocidental..." "Nossa!" "É... E estarei feito se conseguir ganhar essa causa! O velhinho quer mover mundos e fundos para colocar o doutorzinho atrás das grandes!" "Você vai conseguir..." "Meu amor, promete que você vai estar me esperando quando eu voltar?" "Te esperei até agora... Você ainda duvida que eu espere mais?"
Mauro e Isadora se beijam e ele responde: "Não duvidaria nunca!" "Eu te amo!" "Eu também te amo muito..."
Mauro viaja e é recebido por Fernando no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, nos arredores da cidade da Torre Eiffel. Fernando se dizia arrependido de tudo e queria acabar com todos os planos de Letícia. Ele estava há 1 mês fazendo Mestrado em Paris, em Literatura Franco-Espanhola. Fernando houvera feito uma vasta pesquisa, e chegado até Alfred Nicolas Rambaud, um senhor que havia perdido a filha, devido a um grotesco erro médico de Calabria.
Juntos, Fernando e Mauro correm atrás de testemunhas por 3 meses. Mauro leva mais um mês com a peça processual e, no dia do julgamento, o professor-advogado dá um show na acusação em francês... Calabria é condenado à prisão perpétua, devido a concurso de crimes e a belíssima atuação de Mauro... Sem contar na indenização ao Sr. Rambaud e, conseqüentemente, bons honorários advocatícios ao nosso bom e querido advogado. O Conselho Constitucional da República (Comseil Constitutionel de la République de France) afirma ainda que será necessário um outro processo para averigüar as condições da morte dos pais de Letícia, uma vez que, para provar o fracasso profissional de Calabria, até nisso Mauro precisou entrar...
Passados os benditos seis meses...
Já no Brasil, Mauro vai à casa de Letícia... Ele vai até o escritório onde ela trabalha. "Você? Quem é vivo sempre aparece... Soube que você estava viajando?" Mauro joga um embrulho sobre a mesa da ex-mulher. Victor entra no escritório logo depois. "Estava aqui vendo como anda o processo que estou movendo contra você... Mas o que que é isso?" "Abra! A dívida que eu tinha contigo!" "E se eu sumir com esse pacote e disser que você nunca me deu nada?" "Que bom... Vejo mesmo que você nunca entendeu bem de leis... Em primeiro lugar, eu tenho uma testemunha aqui comigo... Em segundo lugar, (Mauro tira um gravador do bolso) acabei degravar a nossa conversa... E, em terceiro lugar, estarei processando você..."
Letícia cruza as pernas e começa a rir... "Me processando? Bem, primeiro que assaltar um banco, querido, é crime... Segundo que não há porque me processar..." Mauro sorri, puxa uma cadeira, senta e devolve... "O primeiro processo, de fato, não é meu... Como você bem sabe, eu estava viajando, estava em Poitiers, e ganhei uma causa contra Docteur Yuri Calabria..." Letícia arregala os olhos. "Isso te diz alguma coisa?" "A mim não... Só sei que ele operou a mosca-morta!" "Pois é... Operou a minha MULHER e matou os seus pais graças ao teu dinheiro da herança..." "Prova!" "Eu não vou provar nada! Você que precisará provar inocência no Conselho Constitucional da República Francesa...
Victor ri e diz: "É, Lelê... Se ferrou agora hein?!" "Cala a boca, estrupício!" "Bem, não contente com esse processo, o segundo processo será meu... Estou te processando porque, como você bem sabe, doar sangue em troca de vantagens é crime..." "Como é que é?" Mauro se levanta, vai até a estante do escritório de Letícia e pega os Códigos Civil e Penal. Ele joga em cima de Letícia. "Abre aí, sua burra! Código Civil, artigo 14, diz que é válida a disósição GRATUITA de qualquer parte do corpo... Isso combinado ao artigo primeiro da Lei 10.205, de 21 de março de 2001, fica claro que são proibidos compra, venda ou qualquer outro tipo de comercialização do sangue, componentes e hemoderivados, em todo o território nacional..." Victor ri outra vez e diz: "Uau, que aula!"
Letícia, aos berros: "Se eu me ferrar, você se ferra junto comigo, porque você assinou essa droga desse contrato!" Mauro, com toda paciência do mundo, responde: "Querida, você doou sangue B- como forma de comercialização... E qualquer juiz entenderá o lado desesperado de um pobre pai e esposo, querendo salvar sua mulher e filho..." Letícia dá um murro na mesa! "Droga! Eu não acredito que você vai ser capaz de fazer isso comigo!" "Não... Não serei, porque eu já fiz..." Mauro bate a porta com força.
Duas horas depois, Fernando liga para Isadora e eles conversam. Ele diz que conseguiu transferir o Mestrado para o Brasil e..." De repente, a luz da casa de Isadora é cortada. Fernando se preocupa e se prepara pra ir até lá... Ele liga pra Mauro, que tem um forte pressentimento. Algo de muito ruim iria acontecer...

Capítulo XX - Denique salvus!

A empregada de Yuri Calabria era uma senhora gorda, mal encarada, que usava um pano na cabeça. Ela olhou o professor de Literatura dos pés à cabeça... "Docteur Calabria n'est chez soi!" ("Dr. Calabria não está em casa") "Ih, me lasquei... Francês? Vejamos se ainda lembro algo dos tempos da faculdade..." Fernando pergunta em francês: "Minha senhora, eu trouxe uma mensagem importantíssima de uma pessoa muito amiga dele!" "Qui personne?" "Letícia Barros. Ela é do Brasil!" "Un moment..." "Ok..."

Após a antipática senhora lhe bater a porta na cara, Fernando lembra de alguns minutos antes, em que abrira a carta de Letícia no táxi. "Se a cachorra sonhar que eu abri a carta, eu tô ferrado!"
Outro flashback, leitores! A carta terminava assim:

Fernando fica apavorado e se sente traído. Ele digitaliza a mensagem para seu laptop e faz pequenas modificações nos sinais de pontuação... O bilhete ficaria assim:

"Olá... Quem bom usar o Português de novo! Que bons ventos lhe trazem aqui com uma mensagem da minha doce Letícia?" Fernando sente uma pontinha de ciúme e simplesmente entrega a carta... Yuri Calabria lê a carta e cumprimenta o professor. Ele diz que em pouco tempo estaria no hospital. Fernando vai embora radiante...
Mauro cochila no sofá do hospital e tem mais uma de suas visões... A bela rosa vermelha, que estava murcha e quase morta, volta à sua beleza natural. Uma pequena rosa de tom róseo desabrochava ao seu lado!
Minutos depois, Isadora é submetida à cirurgia. O bebê nasce são e salvo. João Pedro é o seu nome! Entranto a situação da mãe piora e continua gravíssimo...
Letícia comemora! Doutor Calabria diz a Mauro que eles tentaram de tudo, mas Isadora não está reagindo aos medicamentos. Mauro resolve fazer uma promessa. Se Isadora sobrevivesse, ele se casaria com Letícia e com ela ficaria até o fim de sua vida!
Um dos médicos chama o Dr. Yuri... Isadora estava dando sinais de reação aos medicamentos... Em algumas horas, a moça sai do coma, deixando a rival loira irritadíssima. Ela pergunta o que Fernando fez com o bilhete e este confessa que modificou o original. Ela jura que vai acabar com ele e que o pacto dos dois acabara ali. Isadora se recupera bem...
Duas semanas após... É hora de regressar ao Brasil... Já em casa, Isadora e Mauro conversam. "Amor..." "Mauro, o que que houve? Desde que eu saí do coma, tô vendo que você tá diferente comigo! O que houve enquanto eu estava mal?" "Muita coisa aconteceu..." "Ah, muita coisa?! Então me fala o que é "muita coisa", Mauro!" "Eu não posso falar agora." "Ah, legal né? E vai ficar assim longe de mim até quando? Você não gosta mais de mim?" "Não, não é isso... Nem brincando você repete isso! Eu amo você e é por isso que eu fiz o que eu fiz..." "Fez o que, meu amor?" "Por favor, não insiste!" "Tá bom, mas é difícil acreditar que você me ama ainda assim né?" "Amo, e muito! Você não tem noção do quanto..." "Mauro, sabia que você não me tocou desde que eu abri os olhos há 2 semanas? Você não falou nada sobre nosso filho e..." "Nosso filho é lindo, Isadora! O filho que eu pedi a Deus... Um menino lindo, saudável, esperto,..." "Meu Deus, então o que está acontecendo com a gente?" "Você vai entender! Eu tô indo embora, Isadora!" "É o que? Você está acabando com o nosso casamento, é isso? Você tá terminando comigo?"
Os olhos de Mauro se enchem d'água. "É, Isadora... É isso..." "Você me diz que me ama, mas vai embora?" "Por favor, Isadora, eu não posso te explicar agora..." "A Letícia está metida nessa história, não está?" "Está! Eu vou pra casa dela..." "É o que? Você tá me deixando depois de tudo o que passamos pra ir viver com aquelazinha?" "É mais ou menos isso!" "Eu não tô te reconhecendo!" "Tchau, Isadora... Não esquece que eu te amo!" Mauro sai antes que Isadora fale algo mais... Ele vai embora aos prantos.
Isadora chora. Mauro chega na casa de Letícia. "Oi, amor, que bom que você chegou..." Mauro põe as malas no chão. Ele enxuga as lágrimas e olha dentro dos olhos de Letícia. Nos seus olhos, mágoa, raiva, tristeza e rancor... "Que uma coisa fique bem clara: eu estou aqui, cumprindo o trato e a fim de casar com você... Mas eu não amo você, nunca amei e nem quero amar... Quem eu amo, a mulher da minha vida, que você tá tirando dos meus braços, é a Isadora. E o nosso casamento vai ser como era antes: de fachada! Eu nunca beijaria você, nunca encostaria em você mais... Eu tenho nojo de você!" "Calma, amor. Eu te entendo, mas..." "Não, começa, Letícia! Se quiser, vai ser assim... Se não..." "É lógico que eu aceito..." Mauro guarda suas coisas e visita Grazi e Victor, que já estão morando na casa do quase-psicólogo.
Três meses se passam... Fernando chega de férias. Ele vai procurar Isadora, que dá um fora nele. Mauro sonha com Letícia dando gargalhadas e Isadora chorando. Ele liga pra Victor. "Irmão, tô bolado..." "O que houve, cara?" "Tava aqui pensando... Vocês estavam no hospital no dia do acidente de Isa..." "Uhum, claro..." "Vocês viram quem a atropelou?" "Não. A gente estava lá dentro. A Duda estava pra nascer! Mas, você está desconfiado, por acaso, que a..." "Óbvio! Não duvido nada que tenha sido mais um golpe da Letícia..." "Caramba! Porque você não liga pra recepção do hospital? Possivelmente alguém viu alguma coisa..." "Ótima idéia!" Mauro segue o conselho do amigo...
Em poucos minutos, o professor encontraria uma resposta convincente... "Olha, meu senhor, eu estava de vigia no dia e só consegui anotar a placa... Um segundo... Aqui: KQI 7971" "Era tudo que eu queria saber!" "Mas porque?" Mauro desliga o telefone sem nem terminar de falar. Constatado quem foi a autora do crime, ele rearruma suas malas. Letícia chega em casa. "Aonde você pensa que vai?" "Eu não penso, eu vou embora!" "Esqueceu do nosso contrato?" "Dane-se o contrato! Eu não vou viver debaixo do mesmo teto da mulher que quase matou a mulher da minha vida e o meu filho, sua víbora!" "De onde você tirou um absurdo desses, meu gatinho?" Pegando a megera pelo braço: "Você não me engana mais! Sei que foi você quem jogou o carro sobre a Isadora!" "Foi um acidente, meu amor!" "Pára! Chega, Letícia, chega! Eu não vou cair mais na sua..." "E se eu te processar por furar o contrato?" "Leia o contrato..." Letícia abre uma gaveta do móvel da sala, tira uma cópia do contrato e lê em voz alta...
Mauro senta no sofá e sorri sarcasticamente... "Muito bem... Pelo menos ler, você já sabe ler... Pelo contrato, eu me comprometi a me separar da Isadora, mas em momento nenhum disse que ficaria contigo! Ou disse?" "Não, amor, mas eu pensei que..." "Pensou? Nunca que você teve a habilidade de fazer isso, Letícia... Esqueceste das aulas da faculdade de Direito, querida? Artigo 313 do Código Civil... O devedor não está obrigado a pagar prestação diversa do convencionado pelo contrato!" "Quer me dar aula agora?" "Se na faculdade você matava todas as aulas, naão sou eu que vou te dar aula agora... Fui!" Mauro vai embora e Letícia, irada, rasga o contrato.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Capítulo XIX - Immanitas Laetitiae

Mauro chega à casa da ex e tenta conversar com ela, que se altera logo no início da conversa: "Quer dizer que o homem que me escurraçou do seu casamento, todo cheio de si, vem agora com o rabinho entre as pernas me pedir ajuda pra salvar sua esposa e seu filhinho? Quero mais é que vocês se danem!" "Pelo amor de Deus, Letícia, é uma emergência?" A loira roda a cadeira de rodinhas ficando de costas pra Mauro. "Emergência..." Virando-se de volta pra ele: "Emergência só se for pra você!" "Como que você pôde se transformar nisso hein?! Fria, calculista,... Quem ama, não fica assim!" "Fria não, meu bem! Calculista? Assim... Por você eu faria tudo, Maurinho..." O professor aos prantos: "Então salva a minha mulher e meu fiho!" "E o que eu ganho em troca?" "Sou em que você quer, não é?!" "Exato!" "Então tá... Salva os dois que... eu faço o que você quiser! Até me caso com você de novo..."
Letícia levanta da cadeira e sobe na mesa, engatinhandoi até chegar a Mauro e o puxa pela gravata. Ela morde a orelha dele e diz: "Acho que estamos começando a nos entender, gatinho... Eu sabia que mais cedo ou mais tarde..." "Teatrinho depois, Letícia! O tempo tá passando..." "Tá legal, vai... É só dinheiro que você precisa pra salvá-los?" "Além da cirurgia ser na França, e os gastos serem enormes, ainda tenho que arranjar uma pessoa B-..." "Mauro, eu sou B-!" "Ai, meu Deus, obrigado! Você doaria sangue a Isadora?" "E o que eu não faria por você?" "Graças a Deus!" "Ai, vamos logo, Maurinho! Se é pra salvar a universitariazinha e a mosquinha-morta que seja de uma vez... Antes que eu me arrependa!" Letícia e Mauro chegam ao hospital.
Letícia põe um contrato na frente de Mauro. "O que significa isso?" "Ah, querido, você não achou que, como boa advogada, eu não iria me precaver? Por este contrato, eu te empresto dinheiro e dôo sangue e você se compromete a se separar da mosca-morta... A menos que a dívida seja quitada." Mauro assina e Letícia doa sangue.
Mauro, Letícia, Fernando e Isadora seguem à França no jatinho privado da advogada.
Isack visita a filha junto à mulher, Márcia. "Vim conhecer meu neto..." "Papai?" "Eu! Filha, desculpe por ter sido um grosso com você... Eu deveria estar do seu lado, e fiquei contra você... Você me desculpa?" "Ah, é claro, melhor pai do mundo!" Pai e filha se abraçam emocionados.
"E cadê o neto mais lindo do vovô?" Márcia, Grazi e Victor riem. "É menina, pai!" "Sério?! Primeiro sua irmã me deu um neto. Agora você me dá uma neta? É alegria demais pra um homem só..." A família bajula a pequena Maria Eduarda.
No hospital de Marne-la-Vallé, Letícia e Fernando discutem. "Você foi longe demais! Se a Isadora morrer, eu mato você! Eu..." "Você não vai fazer nada, idiota... Quem agiu tudo sozinha fui eu, você ainda está me devendo essa..." "Eu te devendo..." "É..." "Agora já é demais! Letícia, eu tô pulando fora... Pra mim nosso pacto acaba aqui..." A loira prende o riso. "Como é que é? Essa foi boa! Você acha que eu deixaria você desfazer nosso acordo agora?" Dois médicos passam e pedem silêncio.
Fernando sussura: "Nada me prende a você agora, cachorra! você não tem como provar que eu te ajudei em nada... Nm naquela história do sonífero, porque eu já te fiz me inocentar... Pode dizer: sou muito esperto né?!" "Se eu fosse você, pensaria duas vezes antes de pular fora..." "Por que?" Letícia abre a bolsa e pega um gravador e algumas fotos. "Lembra da primeira vez que nós nos beijamos?" "Aquele click fotográfico?" "Isso! Eu gravei nossa conversa e foi meu detetive que tirou... essa foto!" Letícia mostra a foto do primeiro beijo deles. "Sua vadia, você planejou tudo?" "Olha como você fala comigo, cachorrinho... Baixa a bola porque tu tá encrencado até o pescoço nessa história!" "Pow, cachorra, e você vai me entregar agora?" "Bem, nós temos um pacto, lembra?" "Lembro! E não vou quebrá-lo..." "Muito bom... Menino esperto esse!"
Letícia beija Fernando. "Ainda mais agora que descubri algo a nosso favor, você não pode pular fora, gatinho!" Fernando senta no sofá da sala de espera. "O que que você descubriu, cachorra?" "O médico que vai operar Isadora é meu chapa... Conheci há 3 anos quando meus pais estavam em coma. Foi ele quem conseguiu apagar meus velhos..." "Apagar? Você pagou pra ele matar teus pais?" "Fala baixo, merda! Diríamos que... Eu apenas apressei uma herança que eu tinha que receber..." "Como você teve sangue frio?" "É a vida, lindinho... Se eles vivessem, eu não casaria com o Mauro porque eles eram contra. E não receberia milhões de herança..." "Puxa! Tô até com medo de você agora." "Calma, meu caro! Quem tá comigo, só sai ganhando..."
Letícia pega um pedaço de papel e escreve um bilhete parao Dr. Yuri Calabria, médico de Isadora. "O Dr. Calabria nunca atende o telefone. Você vai nesse endereço e leva essa carta, tá?!" Ela entrega o bilhete a Fernando. "Beleza!" "E não abra! É confidencial... Entre mim e Yuri!" "Tudo bem..."
Fernando vai à casa do tal médico. Ele toca a campainha e um empregado de Calabria atende.

Capítulo XVIII - Quid tu fēceris?

Uma semana havia se passado desde então... O corpo de Marianne havia sido retirado da casa de Mauro e Isadora, após alguns depoimentos... Isadora não estava se sentindo muito bem nessa semana. Estava muito apreensiva e com sucessivas tonturas e enjôos... O delegado responsável pelo "caso Mari", Alexandre (conhecido por "Alezinho"), não fora muito bem com a cara dela. Para ele, "há de se encontrar naquela casa algo que incrimine essa moça... Aquela carinha de universitária CDF esconde uma criminosa passional! Vocês verão..."
Dia 31 de dezembro. Grazielle já está com 3 meses e pouco de gravidez... A estudante de Psicologia, que já está com alguma barriga à mostra, resolve contar ao seu pai da gravidez. Isack fica irado ao receber essa notícia da filha. "Filha minha grávida antes de casar?" "Papai..." "Papai nada, garota! Fica quieta... Você me envergonha... Mas eu sabia! Você e esse moleque sem vergonha!" "O Victor não é um moleque, papai!" "Ah, não?! E que atitude foi essa de vocês?! Se ele não é moleque, isso é o que veremos agora... Pode pegar suas coisas e se vira na casa dele agora..." "Pai, você está me expul..." "Estou, Grazielle! Você deixou de ser minha filha quando sujou meu nome e..." Antes de o pai terminar de falar, Grazielle corre no quarto e arruma as coisas. Ela liga pra melhor amiga, que diz que sua casa está com as portas abertas.
Grazielle arruma suas coisas num dos quartos da casa da amiga e vai no médico com ela. Isadora fica feliz em ver que está tudo bem com a amiga e aproveita para confirmar uma outra suspeita: Isadora está grávida!
Em casa, a doce jovem fica inquieta por achar que Mauro não quer filhos naquele momento. "Amor, o que que você tem que não pára de andar pela casa?" "Meu lindo, eu tenho uma notícia que eu não sei se você vai gostar..." "Que notícia? Você tá me preocupando..." Isadora alisa a barriga. "Eu estou esperando um filho teu..." "Um filho? E você acha que eu não iria gostar?" Mauro pega Isadora no colo e a beija. "Eu adorei! Amei... Um filho nosso! Meu Deus, é tudo que eu sempre quis!" "Sério?" "Sério, boba! Vou ser o pais mais bobo do mundo!"
Viajeeeeeeemos agora, caros leitores! SEIS MESES DEPOIS...
Grazi entra em trabalho de parto. Letícia recebe uma ligação do detetive: "Doutora, tudo em cima aqui hein?!" "Como assim, tudo em cima?" "A menina que a senhora falou, vai ter cria..." Letícia dá gargalhadas. Mais que depressa, ela começa a arquitetar seu novo plano! Letícia manda o detetive esvaziar os pneus do carro de Isadora. Grazi liga pra Isadora e pede a amiga pra ir depressa para o hosital. Mauro está no trabalho e Isadora fica nervosa ao ver que seu carro está inutilizável... A morena chama um táxi e não está muito bem com aquele barrigão de 6 meses de gravidez...
Meia hora. Isadora desce do táxi e atravessa a rua do hospital. Letícia, que já a esperava com o carro estacionado, joga o carro em cima de Isadora que é levada às pressas para o hospital.
"Ahhhhhhh, xeque-mate!" diz Letícia dando gargalhadas e arrancando com o carro! Mauro é avisado do acidente e se desespera. Ele conversa com o médico. Grazi dá a luz à uma menina linda: Maria Eduarda. Grazi e Victor ficam bobos ao ver o bebê e a mais nova mamãe estranha Isadora ainda não ter chegado. O médico diz a Mauro que a situação é grave e que sua esposa corre risco de morte.
"A lesão dilacerou parte significativa da região placentária e a vida dos dois ainda resta por células especializadas do cordão umbilical. Mas o caso é gravíssimo!" "Doutor, e o que se vai fazer? Não posso deixar minha mulher morrer, doutor, não posso!" Mauro começa a chorar sem parar.
"Olha, rapaz, tenta se acalmar... Eu sei que é difícil afinal como médico lido com isso 24h por dia. Mas calma! Sua esposa precisa de você calmo, mesmo porque..." "Mesmo porque o que, doutor? Ela vai... morrer?!" A respiração de Mauro fica ofegante e as lágrimas descem sem parar. Mauro, não que ela vá morrer..." "Fala logo, doutor! Sem rodeios... Por favor!" "Tá ok... Bem, as células do cordão umbilical possuem uma altíssima capacidade mitótica." "O senhor quer dizer de divisão celular..." "Isso mesmo! O quadro clínico deles exige que se faça o seguinte: aplicar um determinado medicamento que estimule a divisão. "E por que não fizeram essa droga de procedimento ainda?" "Porque essa divisão celular é locacional e excludente. Esse caso é raríssimo, porque aquela colisão foi com um carro em altíssima velocidade e sua mulher já estava com 6 meses de gravidez... Esse é um quadro daqueles de novelas ou contos, algo que ocorre uma vez em milhares de casos..." "Doutor, o que o senhor tá querendo dizer com divisão locacional e caso raro?" "A minha equipe pode realizar 2 tipos diferentes de intervenção cirúrgica. É uma situação delicada, porque a multiplicação celular num determinado ponto do cordão umbilical produz anticorpos que impedirão o memso processo na parte oposta do cordão..." "Peraí, deixe-me ver se entendi... O senhor tá querendo dizer que eu vou ter que escolher entre a minha mulher ou meu filho?" "Infelizmente sim..." "Não faz isso, doutor!"
Mauro chora compulsivamente. A dor em seu peito parece que vai matá-lo... "Mauro, o seu filho é mais provável que sobreviva, pois com a dilaceração de parte da placenta apressou-se muito o trabalho de parto. O problema é que ele ainda é muito novinho: pouco mais de 6 meses..." "Não tem outra saída, doutor?" "Não, mas..." "Mas o que, doutor? Fala!"
O médico tira Mauro da sala de espera. "Não poderia te falar isso, porque é contra a política da instituição hospitalar, mas... Há um método sendo desenvolvido agora numa cidade chamada Marne-la-Vallé, norte da França, que se aplica simultaneamente um medicamento ultra moderno em dois sítios do cordão umbilical e um outro que regula a mitose. É uma cirurgia arriscada, absurdamente cara e que ainda está em estudo. Você precisa ter certeza que pode arcar com ela..." "Nossa! Uma cirurgia assim cara, eu não sei se posso pagar. Ah, sei bem o que vou fazer!" "Tem mais um detalhe..." "Mais, doutor?" "Com o acidente ela perdeu muito sangue e precisa urgente de uma doação de sangue B-" "E o banco de sangue?" "Não temos esse tipo sangüíneo com tanta disponibilidade..." "Eu me viro, doutor!" Sem pensar duas vezes, Mauro vai à casa de Letícia.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Capítulo XVII - Qui fuit?

Isadora arruma a mesa para ceia enquanto Mauro termina de tomar banho. A campainha toca e a universitária vai atender. "Oi, querida. Eu estava fazendo uma sobremesa para a ceia, quando vi que o açúcar tava no finalzinho... Vc me dá uma xícarazinha, linda?" "Que estranho, Marianne... Você nunca bate aqui em casa..." "Ah, querida! Sem grilo, vai... Somos vizinhaaaas!" "É... Tudo bem! Faz o seguinte? Eu levo lá! Cinco minutinhos eu termino de pôr a mesa e ajeitar as coisas aqui e..." "Então, eu te ajudo!" "É que... Não precisa, eu..." "Sem cerimônia, lindinha!"
A vizinha intrusa fecha a porta e já vai se sentindo em casa, deixando Isadora sem graça. As duas vão a cozinha buscar o resto dos talheres e pratos. "Isadora, vocês vão ceiar sozinhos?" "Não... Alguns amigos e familiares já estão até chegando..." "Ah, bom..." "E você?" "Ah, eu vou pra casa da Lu, da casa 44, sabe?!" "Acho que sei quem é..." "Então, querida... Ainda mais agora solteira né?!" "Solteira?" "Ah, nem te contei..."
Marianne puxa uma cadeira e senta. Passa a mão numa maçã que está sobre a mesa da cozinha e morde... "Leozinho chega em casa outro dia e começa a se estressar..." "Se estressar?" "Ah, querida, nosso relacionamento é aberto né?!" "Como assim, relacionamento aberto, Marianne?!" "Ah, Isa, a modernidade né, queridinha?! Relacionamentos abertos, livres, eu pego uns, ele pega umas e tá tudo certo..." (risos)
Isadora séria... "Você pega...?" "Claro! Minhas amigas dizem que são pegadas, mas eu não, sou mulher de atitude, eu que pego!" "Ah, sim..." "Então, outro dia Leozinho chega em casa e... Assim, sabe o Paulão, marido daquela gorda da casa 35?" "Não sei quem é..." "Ai, Isadora, você é muito anti-social, mal conhece os vizinhos... Enfim, ele é tudo né?! Na cama então nem se fala... Ele deu em cima de mim, eu tava a fim e..." "Um homem casado, Marianne?" "Ah, qual o problema? Dane-se a mulher dele, que não soube segurar o marido!" "Meu Deus!" "Então, aí o Leozinho nos viu na cama, e ficou todo estressadinho... Vê se pode?!" Isadora fica boquiaberta.
"É... realmente não pode né?!" "Claro que não! Ele tem as mulherzinhas dele também ora..." Isadora respira fundo e se vira pra arrumar a pia. "Lindinha, e o maridão?" Isadora tomba um prato com alguns talheres. "Que que tem meu marido, Marianne?" "Ele tá bem?" "Está ótimo!" "Ah, que bom... Olha, vou levar esses pratos aqui pra sala enquanto você cata esses cacos do prato que caiu aí, tá?!" "Tudo bem, Marianne!"
A vizinha põe a pilha de pratos sobre a mesa e, mais que depressa, corre pro corredor da casa. Ela ouve o barulho da porta do banheiro fechando e olha pelo vão da porta entre-aberta do quarto de Isadora e Mauro. O professor toma um susto ao vê-la no corredor. "Marianne?!" "Oi, desculpa, é que..." "O que você está fazendo aqui?" "Eu vim pedir uma xícara de açúcar a Isado..." "A Isadora está na cozinha e não aqui no quarto, Marianne..." "Eu sei, bobo! Mas eu não resisti de..." Isadora vem da cozinha. "Marianne?!" Ela corre pro banheiro. Isadora chega no quarto e vê o marido de toalha. "Amor?" Mauro cochicha: "Psiu! Vem cá... Essa mulher não bate bem... Pára de colocá-la dentro de casa, ela veio até aqui quando você deu bobeira na cozinha..." "Cachorra! Eu sabia... Cadê ela?" "Correu pro banheiro... Diplomacia, meu amor!" "Uhum... Diplomacia vai ser minha mão na cara dela!"
Marianne sai do banheiro como se nada tivesse acontecido... "Oi, querida..." "A sala é lá..." "Eu sei, lindinhaaaa! Mas o banheiro é aqui... Eu ia pôr os pratos e me deu vontade de ir ao banheiro..." "Tudo bem... Tá aqui o açúcar, pode ir..." "Ah, mas tem muito aí..." "Não tem problema... Pode levar!" "Ok... Ah, vamos lá em casa comigo rapidinho? Preciso de uma opinião sua pra vestir uma roupa..." "Marianne, eu estou ocupada com..." "Sem desculpas!" Antes de falar algo mais, Marianne puxa Isadora pra sua casa.
Mauro dá risada da cara da esposa e vai ao banheiro pentear o cabelo, quando vê que Marianne encheu sua camisa que estava no banheiro de marca de batom. Ele fica irado e vai até lá, quando o interfone toca que os convidados chegaram. Mauro recebe Grazi, Victor e alguns primos. Isadora encontra com os amigos em frente de casa.
Grazi: "Oi, amiga! Tudo bem?" "Tudo..." "Ei, que marca vermelha é essa aqui?" "Ah, dei um corte na mão agora há pouco, quando um prato caiu com alguns talheres..." "Ah, sim... Mas tá melhor?" "Tô sim..." Mauro abraça Victor. "Tem um vinhozinho tinto show de bola nos esperando..." "Ah, tinha que ser você, parceiro!"
A noite segue e a ceia na casa de Mauro e Isadora é super legal... Letícia tenta ligar pra Marianne. A loira houvera recebido um e-mail da dentista dizendo que havia desistido de pactuar com ela porque não queria mais atrapalhar no romance dos vizinhos porque não tinha chances. A loira havia ficado muito irritada e decide fazer algo! Fernando pede que ela se acalme, mas Letícia diz que quer matar Marianne!
Meia hora mais tarde... A campainha da casa dos pombinhos toca novamente. Um policial pergunta quem é Mauro, proprietário da casa... "Sou eu... Pois não?!" "Recebemos uma denúncia e precisamos vasculhar a sua casa..." "Denúncia?" o policial nem responde e já entra apreensivo. Alguns minutos mais tarde, os policiais encontrariam Marianne, no sótão da casa, morta a facadas...
Todos gelam ao ver aquela cena... Pior que, sendo donos da casa, Mauro e Isadora passam agora a ser os primeiros suspeitos desse crime pavoroso!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Capítulo XVI - Luna mellis perfecta

Mauro e Isa seguem para a recepção quando ele pára o carro. "O que foi, meu amor?" O professor, com lágrimas no olhos, responde: "Só agora me dei conta de duas coisas, amor..." "De que?" "Primeiro do que Letícia é capaz. Poxa, no nosso casamento ela..." "Sh... Passou! E eu amei tudo o que você falou pra ela!" (beijo) "A segunda coisa é do quanto eu te amo! Perco a cabeça quando ela tenta qualquer coisa contra você. Eu te amo tanto!" "Eu também te amo muito! Demais..." (beijo) "Bem, Sra. Isadora Velasco, minha mulher, vamos?" "Claro, meu amor! Meu marido..." O casal chega um tempo depois à festa.
A festa rola e algum tempo depois o casal se prepara para ir embora. Mauro: "Gente, eu queria muito agradecer a presença de todos vocês. São todos muito importantes em nossas vidas! Mas temos que ir... E deixo uma mensagem muito importante a todos vocês: enquanto houver amor, o mal nunca vence!" Aplaudidos de pé, o casal parte de lua-de-mel rumo a belíssima praia de Maceió...
Após uma noite divina... "Meu amor, o sol está nos convidando à praia!" "Hummm... E qual a programação para de manhã?" "Bem, acabei de descer para pedir esse café da manhã e perguntar sobre isso: podemos andar de jet ski nessa parte da praia que é uma baía, escuna, ficar na praia, conhecer a cidade, enfim, você que sabe!" "Ai, eu adorei tudo!" Então vamos levantar e façamos tudo! Afinal estamos desligados do mundo, só eu e você, por uma semana!" "Parece mentira né?" "Mas é a realidade! Estou ao lado da mulher que eu amo..." (beijo) "Vamos?"
E assim, sem maiores detalhes (para não enlouquecer os leitores), segue-se uma semana de lua-de-mel...
Duas semanas depois...
É véspera de Natal! Mauro e Isadora se arrumam e ajeitam a casa... Logo logo chegariam os amigos e alguns familiares. Aquele Natal seria inesquecível! A noite do dia 24 para 25 de dezembro daquele ano ficaria na memória de todos... Só para animar: o casamento passou e será que ninguém deu por falta de Marianne? Onde será que ela andou e o que será que tem feito? Aguardem... Essa ceia promete!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Capítulo XV - Ad summam maritus!

Parece mentira, caros leitores, mas finalmente chegamos ao dia do casamento de Mauro e Isadora. Façamos, entretanto, um pequeno flashback de alguns dias. Nosso adorado casal está decidindo os detalhes da cerimônia...

Isadora: "Amor, eu sempre sonhei com um casamento inesquecível..." "Pois eu sempre sonhei com um casamento, além de inesquecível, um casamento super exótico!" "Como assim, bebê?"
"Ai, um casamento exótico do tipo praia no fim de tarde, pôr do sol, sei lá..." (risos) "Jura? Adorei..." "Sabe, casamento é um momento de nossas vidas que pelo menos se esperdura pra sempre!" "E o nosso vai durar, lógico, ou você acha que vai se ver livre de mim fácil?" (beijo) "Amor, a gente podia casar no finalzinho da tarde, imagina?! Os convidados todos descalços, aquela coisa bem Havaí?! Nada de salto, muito brilho nem roupa pesada... Os convidados vestiriam algo mais casual e menos pesado como linhos, crepe ou organza..." "Mauro, eu estou apaixonada por essa cena que você tá me fazendo visualizar! Continue..." "
O cenário de praia já diz tudo, então a decoração seria minimalista." "É... A gente optaria por cores como o verde-água, vários tons de rosa, vários tons de azul, ou até várias tonalidades de beges e castanhos-claros. Conchas e estrelas-do-mar são elementos decorativos muito adequados, assim como os pequenos barcos, as âncoras, etc." "Isso, meu amor!"


"Ai, será tudo que eu sempre sonhei... O casamento inesquecível! Devido ao ruído natural do mar, devemos usar instrumentos portáteis que imitam notas altas, mas que não abafem o som do oceano." "Hum, o violino, a flauta, o saxofone, uma harpa ou uma guitarra são escolhas bem-sucedidas." "Harpa! Que lindo..." "Então... Assim será!" (beijos)


Pronto! Agora os leitores já entenderam o clima do casamento dos pombinhos. Já calçaram as sandálias baixinhas? Certificaram-se do filtro solar e óculos-de-sol? Então vamos...


O dia está maravilhoso! O céu naquele tom meio alaranjado de fim de tarde e o barulhinho calmo do quebrar das ondas... O cerimonial segue tranquilo, um grupo não muito grande de convidados e os noivos não poderiam estar mais felizes!


Após a benção final, Mauro beija Isadora e, super emocionada, ela canta "Love will show you everything" para o marido. Os convidados ficam encantados com tamanho romantismo num cerimonial de casamento, ainda mais à beira da praia. Mauro não faz por menos: canta "Only hope" para a amada...


Quando o casal se prepara para deixar a praia, uma mulher chega à cerimônia. É Letícia! Com uma imagem horrorosa de um acidente de carro estampada na blusa e um sorriso diabólico... Letícia diz alto e em bom tom: "Cheguei tarde para o casório? Perdi a melhor parte né?! Até que a morte os separe... Que bom que quem vai fazer essa parte não é a morte, mas eu mesma!" (gargalhadas)


Isadora treme e começa a chorar... Ela abraça o seu, já então, marido e pede: "Amor, tira essa mulher daqui... Será que ela nunca vai nos dar sossego?" "Me dá um instante..." O sangue de Mauro sobe à cabeça... Ele agarra Letícia pelo braço e a víbora se faz de coitada... "Ai, eu só vim parabenizar os noivos!"


Isadora se senta numa das cadeiras e indaga: "Meu Deus, estava demorando para esse inferno começar..." Meu amor, inferno no nosso casamento eu não vou permitir! Aproveitando a presença de todos, eu gostaria de te dizer uma coisa, Isa... EU AMO VOCÊ e não vai ser essazinha aqui que vai nos separar..." Isadora abraça Mauro. (beijo)


Letícia bate palmas. "Beija meeesmo! Pode beijar... Mas, oh, vou dizer uma coisa..." Mauro a pega outra vez pelo braço. "Você não vai dizer mais nada." "Pára, Mauro. Eu vim aqui dizer isso e vou terminar... Eu estou jogando uma praga em vocês!" Isadora volta a chorar compulsivamente. "Sabe qual praga? Foi por um acidente de carro que eu te trouxe para o Maurinho. E vai ser assim que eu vou tirá-lo de você de volta!" Isadora não se contém e berra: "Tenta! Vagabunda, tenta... Eu amo o Mauro e você não vai conseguir!"


Victor se levanta e tenta convencer Letícia a ir embora. "Letícia, aceite que acabou pra você... Deixe esses dois serem felizes!" "Tudo bem... (risos) Eu já arruinei tudo que eu queria arruinar mesmo..." Mauro põe Letícia no ombro e a carrega. "Basta! Seu teatrinho já passou dos limites!" Mauro vai até quase dentro d'água e joga Letícia. Todo mundo vai assistir a cena. "Ai, você me machucou..." "Eu devia era te matar! Só não faço isso porque hoje, por mais que você tente o contrário, é o dia mais feliz da minha vida. E eu não admito que você tente mudá-lo." "Eu pensei que o dia mais feliz tivesse sido quando você casou comigo! Mesmo sendo apenas no civil, mas eu estava..." "Cala a boca! Escuta aqui... Eu só vou falar uma vez. Eu tenho nojo de você... Tenho pena de você. A mulher da minha vida, com quem eu estou me casando hoje, com quem eu pretendo ter filhos..." "É comigo!" "Não. Não é com você... Nunca foi! Mais uma vez que você me interromper, eu, eu nem sei!" "Tá... Desculpa, Eu fico quietinha!" "Acho bom... A mulher que vai ser a mãe dos meus filhos e a que vai ficar comigo para o resto da minha vida..." Letícia abre a boca e Mauro fala mais alto. "É a Isadora! Entendeu?" "Mas eu..." "Mas nada! Eu mandei você ouvir apenas... Não pedi a sua opinião..."


Mauro pega Isadora no colo. Ela fala pra ele: "Você disse tudo que eu queria ouvir!" (beijo) Mauro: "Vamos?" Olhando pra Letícia ainda sentada na areia: "Uma lua-de-mel maravilhosa nos espera..." Letícia levanta e pergunta a Grazi: "Pra onde eles vão mesmo?" Mauro: "Não é da sua conta... Onde eu vou com a minha mulher você não precisa saber..."


Mauro põe Isadora no carro. Dá a volta, abre a sua porta e vira para os convidados: "Gente, valeu pela presença... Esperamos vocês na recepção..." Ele olha pra Letícia: "Espero os convidados, e não os penetras..." Letícia: "Pode deixar que eu não vou, Mauro. Sei quando não estou agradando!" "Que bom! Tchau, pessoal! Até daqui a pouco..." Mauro sai com o carro.


Letícia berra na praia. "Arrrrrrrrgh! Isso não vai ficar assim!" Victor mete um soco na loira. "Se o Mauro não teve coragem de fazer isso, eu tenho! Como padrinho desse casamento, eu te peço, cara, deixa esses dois em paz! Você já perdeu o Mauro há tempo..." Grazi abraça o namorado. "Hoje então nem se fala né, amor?!" Letícia tira a blusa e joga no mar. Por baixo da blusa, seu vestido tomara-que-caia evidenciava um vestido de noiva.


Os convidados vão embora e a loira fica sozinha na praia. Fernando a consola.


quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Só pra aumentar a curiosidade...

ESSA É REALMENTE IMPERDÍVEL...
Cenas do próximo capítulo:
----> Isadora e Mauro optam por um casamento nada convencional...
Isadora: "Amor, eu sempre sonhei com um casamento inesquecível..."
Mauro: "Pois eu sempre sonhei com um casamento, além de inesquecível, um casamento super exótico!"
Isadora: "Como assim, bebê?"
Mauro: "Ai, um casamento exótico do tipo..."
----> Após os pombinhos se beijarem, uma mulher chega à cerimônia. É Letícia! Com uma imagem horrorosa estampada na blusa e um sorriso diabólico...
Letícia: "Cheguei tarde para o casório?"
----> Isadora chora compulsivamente...
Isa: "Amor, tira essa mulher daqui!"
HAJA FÔLEGO, GALERA!
Esse casamento vai bombar!!!

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Capítulo XIV - Caput vel cor?

17h. Mauro prepara um jantar para a namorada. Arruma a mesa e prepara pratos deliciosos! O professor então toma um banho e sai para uma surpresa para a amada.

Letícia ouve a voz de Marianne e chegando à sala, vê a dentista na porta. Desconfiada até da própria sombra, a advogada pergunta: "Amor, é quem a perua?" "Não sei, eu acabei de abrir a porta, Lê..." "Ah, você é Letícia Barros?" "Sim, por que?" Marianne entra, fecha a porta e senta no sofá, deixando o casal com a pulga atrás da orelha.

"Letícia, eu me chamo Marianne..." "Sei, e daí?! Desembucha, criatura... Não tenho todo o tempo do mundo!" "Nossa, bem que me disseram que você não era flor que se cheire e..." "Escuta aqui, oh perua, você vem a minha casa e..." "É sobre o Mauro, Letícia!" "O Mauro? O que que tem o Mauro?" "(risos) Sabia que isso te interessaria... Acontece que eu gosto dele! Sou vizinha dele e sempre senti algo por ele, mas parece que agora sinto ainda mais..." "Caramba, mais uma?!" "Ah, querida, o homem é aquilo tudo, como não me apaixonar por ele?!"

Fernando se revolta. "Vem cá... O que que esse bando de mulher vê naquele homenzinho de nada?! Que cara babaca e..." "Cala a boca, benzinho!" "Isso!" "Bem, querida, o que você quer afinal?" "Ah, Letícia, não seja tola! Você quer o Mauro, eu quero o Mauro... Andei te seguindo, pesquisando sobre você e percebi que me aliar a você pode me ser muito útil..." "E por que eu precisaria de uma médica fútil como você?" "Alto lá... Primeiro que eu sou dentista e segundo que, três pessoas acabam com a Isadora bem mais fácil que duas..." Letícia abre um sorriso.

"E por que eu acreditaria que você tem algo a nos acrescentar?" "Sou vizinha deles, inteligente, bonita, gostosa e pronta pra detonar com a mosca morta!" "Ei, vocês combinaram o apelido da Isa?" "Cala a boca, Fernando. Nós não pedimos a sua opinião, benzinho..." "Isso!" "Agora você veja só... Até que você me parece bem espertinha!" "Você não faz idéia... Adoro armadilhas, esquemas, falcatruas..." "Hummm... Marianne, e como eu terei certeza de que você não vai pular fora do trato depois?" "Bem, Letícia, é a mesma certeza que eu tenho de que você não vai queimar meu filme... São elas por elas!" "Fechado, lindinha..."

Meia hora depois. A campainha toca de novo. Fernando abre a porta e fica sem reação ao ver Isadora. "Isa?" "Fernando, sem me enrolar... Por que vocês mentiram que você não teve culpa na parada do soníf... Ué, Marianne? Letícia? Vocês se conhecem?" "Claro, querida, a Letícia está me defendendo num caso importantíssimo... É uma advogada super competente e..." "Ok... Não me interessa! De vocês eu espero tudo... E quanto a você, Fernando?" "É a verdade, Isa! Eu não fiz absolutamente nada." "Pára de mentir, Fernando!" "Ei, vocês estão falando da cena que a Letícia me contou dos copos da festa? Isadora, querida, sou testemunha! Eu estava com Fernando em Juiz de Fora... Ele me levou lá, porque a Lê estaria ocupada e precisávamos de uma testemunha no meu caso..." "Sem essa, Marianne! Você mentindo é o fim! Fernando foi na festa." Letícia puxa Marianne: "Amiga, vamos lá dentro antes que eu voe no pescoço da mosca morta?" Letícia encara Isadora e leva Marianne pro quarto. "Victor viu você trocar os copos, Fernando!" "Eu?!" "Cínico! Olha, Fernando, eu achei que a gente fosse amigo. Mas nem isso mais eu quero ser sua..."

Isadora sai e Fernando vai atrás. Quando ela sai do prédio, já devia ser quase 18h. O tempo estava claro, porque era horário de verão. Isadora olha para o céu: uma asa delta leva uma faixa com a mensagem: "Isadora, eu te amo muito! Casa comigo? Mauro."

A universitário não se contenta de felicidade e vai embora correndo. Fernando fica irado!

Fernando volta para o apartamento e o trio "parada dura" trama o "bote"...

Um balão segue o carro de Isadora. Ela pára o carro. Mauro, que está no balão, canta "We're in heaven" para a namorada. Com o balão já no chão, ele diz: "Assim como, por um acidente, você entrou misteriosamente na minha vida, eu desço dos céus para a sua. Quando eu te vi, aconteceu um sonho que estava guardado aqui dentro de mim. Quand eu te vi, meu mundo amanheceu, já que a vida havia me dado de presente a mais perfeita das dádivas: VOCÊ! A música já diz: você é tudo que eu quero! Eu não vou deixar você partir. Tive muito medo que isso acontecesse quando nós discutimos... Quando te tenho nos meus braços, eu sou feliz como já mais fui em qualquer outro momento da minha vida. Você me faz o homem mais feliz do mundo. E, como eu te quero para o resto da minha vida... Casa comigo?"

Isadora fecha o carro e entra no balão. "Só se for agora, amor da minha vida!" Eles se beijam e o balão voa pela cidade.

Enquanto isso... Na ala cascavel... Marianne já tinha ido embora e Fernando e Letícia conversam no escritório. "Fernando, olha pela janela do escritório! Sabe o que é aquele balão?" "Aquele ba..." "É, idiota... Aquele balão! Dãã..." "Não." "O Mauro pediu a Isadora em casamento, coisa tapada! Você duvida?" "Eu acabo com esse..." "Epa! Epa! Você não acaba com ninguém porque antes de você encostar no mauro, eu cravo uma bala de revólver no meio da sua testa!" "Pow, cachorra, e o nosso pacto?" "Exato! Abaixa a tua bola que é hora da gente agir..." "Agir como, cachorra, eles vão se casar!" "É pegar pesado, benzinho! Pelo visto, infelizmente, eles se amam mesmo e nada vai separá-los." "Você falando isso?" "Eu admito né?! Tenho desconfiômetro..." "Você tá desistindo, cachorra?" "E eu lá sou mulher de desistir, honey? Agora você veja só!" "Boiei então..." "Fernando, o amor quando bate, só uma coisa é capaz de destrui-lo." "O que?" "A cabeça! A cabeça, a razão é mais forte que o coração, que o amor." "Traduz..." "Vamos por o Maurinho numa situação tipo: é a Isadora mal ao seu lado ou feliz longe dele." "Beleza. E que situação é essa?" "Calma... Nossa hora vai chegar! Eu só quero ver quando o Mauro tiver que usar a cabeça, e não o coração..."
Uma semana após. É o dia do casamento de Isadora e Mauro.

Estamos chegando ao fim...

Fala, galeraaaaaa!
Como estão de férias? Eu estou ótimo! Descansando muito e curtindo essa fase deliciosa...
Vim dar alguns recadinhos...
1) "Amor vincit omnia", o conto atual, está entrando na reta final... É isso aí, dia 28 de dezembro vocês vão ler o último capítulo da nossa "novelinha" on line... Ansiosos para o grand finale? Será que deixo o Mauro com a Isadora? Ou será que a Letícia merece ficar com o ex-marido???
E o caso "Grazi"? Como será que o pai dela vai reagir quando souber da gravidez?
Ah, e tem também a Marianne... O que será que a dentista perua foi fazer na casa de Fernando? Nossa, é tanta coisa que a gente fica até reoendo as unhas de curiosidade. Detalhe: até eu, autor, estou curioso pra saber como isso tudo vai terminar... (gargalhadas)
Agora vocês vejam só!
2) Dia 29 de dezembro começará a nova novela da "Rede GRobo" on line... (risos)
Pois é... Se vocês gostaram de Amor vincit omnia, imaginem a parte II?
Eu escreverei os 3 capítulos iniciais e passarei a autoria pra uma grande e talentosa amiga: Stella Barros! Afinal, férias chegando e Dublin está cada vez mais perto... Parece que o Atlântico diminui quanto mais o dia 1° se aproxima... (risos)
Ah, e para os curiosos de plantão, vou fazer algumas explicações:
* O nome do blog, bem como os títulos dos capítulos, são em latim. Para quem está boiando, "Erat quondam" quer dizer "Era uma vez...". Dei esse título ao blog, numa tentativa de fazer meus leitores viajarem logo no título. A expressão "Era um vez" vem do Inglês Médio ("Once upon a time") e é usado em contos há muitos e muitos anos. O primeiro registro que se tem desta expressão data de 1380 e há correlatos dela em quase todas as línguas do mundo! Detalhe que há mais de 5000 idiomas falados no mundo (algumas fontes apontam seis mil...).
"Once upon a time" convencionou-se como abertura de narrativas orais (em sua maioria contos infantis) por volta de 1600. Da mesma forma que "... e foram felizes para sempre" ou, originariamente, "... felizes até a morte!".
Vale lembrar que essa expressão foi largamente usada em traduções originais de histórias de grandes autores como Hans Christian Andersen (autor de "O Patinho Feio", "A Pequena Sereia", "O Soldadinho de Chumbo", "A Princesa e a Ervilha", entre outros) e os Irmãos Grimm (dois alemães famosos por "Branca de Neve", "Cinderela", "João e Maria", "Rapunzel", etc.).
É uma expressão usada não só em contos infantis, mas também para iniciar mitos, fábulas e contos folclóricos!
* O conto atual se chama AMOR VINCIT OMNIA. Tradução: O AMOR VENCE TUDO! Sugestão da minha caríssima amiga e futura escritora-colaboradora Stella Barros. Muito obrigado!
* "Amor vincit omnia" foi a minha primeira tentativa de escrever um conto e publicá-lo on line. Estou adorando os comentários e incentivos. Esse é o 20° conto que já escrevi, embora todos estejam à mão. Minha primeira (e graças a Deus bem sucedida) experiência como autor!
3) Além da parte II do conto, vai uma outra novidade... Abrirei um outro blog (MYTHOLOGIA), em que darei um curso de Mitologia on line. Preciso ter idéia da quantidade de leitores interessados nesse tipo de assunto, então estou abrindo inscrições on line.
Duas observações:
3.1 Para estudar Mitologia, é necessária uma abordagem séria do assunto. Peço àqueles que acham não conseguem separar Mitologia de Religião, que fiquem de fora dessa aventura.
3.2 "Mythologia" será um conto-curso e não uma página da revista "Atrevida"... Então, "historinhas pra boi durmir" não vão aparecer... Peço uma postura séria, aplicada e motivada!
Bem, galera, é isso! Aguardo comentários e curtam muito as férias... Beijos!!!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Capítulo XIII - Erat ad esse?

23h30min. Letícia e Fernando tomam vinho e assistem a alguns filmes que o professor alugara. Fernando está pensativo e Lê percebe o parceiro distante, viajando... Ela o abraça, dá um beijo no pescoço e pergunta: "Posso saber em que você está pensando, meu lerdinho preferido?" Fernando respira fundo e olha nos olhos de Letícia. "A Isadora não vai me perdoar nunca por eu ter te ajudado, Lê..." "Ah, desencana, Fernando!" "Desencanar como, cachorra? Ela sabe que eu ajudei você a fazer o esquema todo... Ferrou geral pro meu lado!" "Agora você veja só... Quando a gente acabar com esse romancezinho de meia tigela, ela voltará correndo pra você!" "Você e suas armações né, Lê?! Sei não..." "Confia em mim, Shakespeare Apaixonado!" "Só se você me prometer que vai livrar a minha barra com a gata lá..." "Gata? Oh, my Gosh... Há gosto pra tudo nessa vida né?!" "Ih... Qual é, cachorra?!" "Ok... E como eu livro a sua cara com a mosca morta?" "Se vira, cachorra... Isso é problema seu!" "Problema meu, lerdinho? É como que é isso, criança? Agora você veja só, eu sou mágica agora?" "Você manchou meu nome com ela... Acabou comigo! Dá seu jeito agora..." "Beleza... Uma carta resolve!"
Aproveitando-se do seu plano de se fazer de louca a la Hamlet, Letícia escreve uma carta pra Isadora dizendo que Fernando nada teve a ver com a história do "Boa noite, Cinderela". Ela diz que agiu com a ajuda de um homem que se passara por convidado na festa e que Fernando sequer sabia da armação dela. A carta era de interesse do professor de Literatura, porque livra a sua cara, e de Letícia, em seu sórdido plano de se fingir de louca.
Grazi conta a sua mãe que está grávida. A repreensão é inevitável. Victor faz o mesmo em casa, mas seus pais já são mais tranquilos, apesar do velho discurso moralista "Por que não usou camisinha?". Márcia, mãe de Grazi, fica preocupada com a reação do pai de Grazi. "E a camisinha estava onde nessa hora, minha filha?" "Ai, mamãe, eu sei que devia ter usado e tudo mais, mas por favor não me deixa mais nervosa do que eu já estou... Preciso de apoio, de colo, de carinho e não de esporro..." "Quero ver quando seu pai souber..." "Não! Pelo menos nos primeiros meses, ele não vai saber... Até lá eu penso no que vou dizer a ele!" "Ai ai ai, Grazielle! Isso não é uma boa idéia... Você conhece seu pai e ele..." "Mãe! Eu conheço meu pai e se eu contar agora é capaz de ele me mandar abortar a criança e isso eu não faço!" "Tudo bem, minha filha... Façamos isso então! Santo Deus, tanto que eu falava, que eu ensinava, que eu alertava..."
Letícia pesquisa sobre Isadora e põe um detetive em sua cola. Diabolicamente, Letícia vibra ao saber que o sangue da rival é o raríssimo B negativo. E por ironia do destino, é o mesmo seu. "Que pena! Uma hemorragia seria fatal pra Alma Gêmea do Maurinho... Quem mandou se meter no meu caminho? A nossa "Serena" vai partir dessa pra melhor... (risos) Agora você veja só... Um ponto fraco da mosca morta... Ops! Que coisa né?! Então... Huahuahua..."
Três dias depois, Grazi e Isadora conversam. "Nossa, amiga, que barra hein?!" "Fala não... O pior vai ser meu pai." "Poxa vida! Mas vocês também né?! Porque não usaram camisinha?" "Rolou, Isa! Eu estava certa de que ele era a pessoa ideal..." "Estava?" "Estou. Ele foi super carinhoso comigo! foi a melhor noite da minha vida! Hoje também... Já disse que vai assumir o filho e que, se eu quiser, ele casa comigo!" "casar?" "É... Ele não é um fofo?" "Muito legal da parte dele." "Então... como era com ele, eu não hesitei... Não havia a mínima possibilidade de pegar nenhuma DST ou coisa parecida..." "Cereto! Você só esqueceu de um ponto da aula de Educação sexual né?" "Qual?" "A parte que o espermatozóide encontra o óvulo e..." "Pára, Isa, é sério!" "Tô brincando... Só tô tentando te animar, boba..." "Me animar é meio difícil." "Difícil nada! Chorar pelo leite derramado não adianta agora... A camisinha devia ter sido usada e não foi! Agora... ironicamente... é curtir a gravidez!" "É até estranho, sabe, Isa, saber que tem uma vida crescendo aqui dentro..." "Deve ser muito legal mesmo... Meu sonho!" "Mas não meu, de ter filho ainda cursando a faculdade..." "Você vai ter que se acosumar, Grazi! Dar banho, pôr pra mamar..." "Ui, não faço idéia dessas coisas..." "Eu também não, ma conte comigo!" "Claro! A madrinha do meu filho né?" "Eu?" "Certamente o Victor vai concordar em serem você e o Mauro." "Ai, você tá brincando..." "A menos que você não queira... Aceita?" "Claro que eu aceito! Vou ser a melhor segunda mãe do mundo!" Isadora passa a mão na barriga de Grazi. "E o seu bebê, Isa?" "Ai, amiga, como eu queria um... Eu e o Mauro tentamos né?! Mas até agora..." "Hum... Ah, mudando de assunto... E a víbora? Não aprontou mais nada não?!" "Ixi, me mandou uma carta. Inocentando o Fernando do caso Sonífero..." "E você acreditou?" "Bem, pelo menos nessa carta ela parecia convincente..." "Ai, Isa, vou te falar uma coisa pela última vez. Não seja inocente! Essa cobra é capaz de tudo! Maldita hora que a chamei pro niver de Victor." "Você tá sabendo de algo que eu não sei?" "Tô sim... Victor viu Fernando trocando o copo do Mauro." "Ela falou que quem levou o mauro desmaiado lá pra cima foi um homem disfarçado de convidado." "Mentira, menina! Esqueceu que a festa foi surpresa e eu que chamei os convidados? Todos que entraram eu conhecia né?" "caramba! Nem pensei nisso... Então por que será que ela fez isso?" "Óbvio que por pressão dele né, Isa?!" "Ah, mas se ele pensa que vai me passar a perna, ele tá muito enganado!" "Que que você tá pensando em fazer?" "Vou lá desmascará-lo agora!"
Isadora levanta. "Vai com calma, Isa... Você tá pisando num campo minado! Qualquer pisada em falso e..." A amiga completa: "Bum! Explode na cara deles..."
Fernando vai até a cozinha quando ouve baterem na porta insistentemente. Ele atende. É Marianne. "Em que posso ajudá-la, moça?!"

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

E NO CAPÍTULO XIII...

NEM PENSE EM PERDER...
Cenas do próximo capítulo:

-----> Fernando exige que Letícia diga a Isadora que ele é inocente no caso Boa noite Cinderela...
Fernando: "Se vira, cachorra... Isso é problema seu!"
-----> Grazielle conta a sua mãe que está grávida...
Márcia: "E a camisinha estava onde nessa hora, minha filha?"
-----> Letícia pesquisa sobre Isadora e põe um detetive na sua cola...
Lê: "Gente, agora veja só... Um ponto fraco da Alma Gêmea do Maurinho... Ops! Que coisa né?! Então... Huahuahua..."
QUANTA NOVIDADE!!!
Tudo isto, aqui no ERAT QUONDAM, no próximo capítulo...

sábado, 8 de dezembro de 2007

Capítulo XII - Libertas quae sera tamen

18h. Mauro chega à casa de Letícia e toca a campainha. Ela abre um sorriso e pergunta: "Você por aqui?". Ele a empurra e vai entrando... "Vai se fazer de desentendida agora? É só o que me faltava..." "Não, Mauro... Sei muito bem porque você veio até aqui... E por isso eu me produzi desse jeito!" Letícia dá uma volta. "Que tal?" "Você é louca! Meu Deus, como que um dia eu pude me casar com uma desequilibrada mental?" Ela põe a mão no rosto dele. "Sou louca sim... Por você! Por você eu..." "Cala a boca! Isso não é amor... Isso é doença!" "Não, Mauro... É amor! Como ninguém nunca sentiu e nunca vai sentir por você..." "Amor como o seu eu quero distância!" "Não fala assim... Agora que você e a Isadora..." "Nem ouse a terminar essa frase!"
Mauro põe o dedo no nariz dela. "Ai de você se tentar mais uma vez alguma coisa contra nós! Eu... eu nem sei, Letícia! Eu mato você..." "Calma, meu lindo advogadozinho..." "Você é baixa e inescrupulosa demais, cara..." "Vou te provar que não, meu amor..." "Amor? Vê se me esquece, Letícia!" "Isso é impossível. Antes disso eu tenho que... Sabe o que?" "Ham?!" "Vou contar só pra você tá? Porque você eu sei que não vai espalhar... Porque você eu amo muito!" "Contar o que, Letícia?" "Bem, antes de qualquer coisa, eu tenho que tirar Isadora do meu caminho, já que o Boa noite Cinderela não funcionou..." "Eu mato você se você somente encostar na Isadora, você tá me ouvindo bem?" "Cuidado, hein! Homicídio dá cadeia, amor... Artigo 121 do CP... Pena de reclusão, 6 a 20 anos, querido!" "É mesmo, advogada?" "É..." "Então grava bem.. Eu MATO você se você tentar de novo algo contra a Isa... Tá gravando? Mato!" "Entendi bem, Maurinho!" "Não me chama assim... Cara, minha vontade é te esganar..." Mauro parte pra cima de Letícia, que recua. Ele pensa bem e pára.
"Olha, eu vou lá..." "Já, meu amor? Se virem você saindo os vizinhos podem achar que estamos seprados!" "Mas nós já nos divorciamos, Letícia!" "Nós? Quando? Poxa, você pediu o divórcio contra a minha vontade?" "Acho que você enlouqueceu de vez! Tchau..." Mauro bate a porta.
Fernando, que escutara a conversa, chega à sala boquiaberto. "Meu Deus, Letícia, sua loucura chegou num ponto que..." "Ai, besta! Cala a boca, cala! De louca eu só tenho a aparência, honey... Você achou mesmo que estivesse enlouquecendo?" "Bem, mais real impossível!" "Ah, meu caro... Pra isso estudei três anos de teatro quando adolescente... Pelo menos pra isso serviu né?!" "Caramba, Lê, por essa eu não espereva..." "Ai, menino, é como que é isso, gente? Que coisa tapada você... Criança enjoada! Nunca leu Shakespeare na vida não, coisa demente?" "Já, mas..." "Então, lerdo! Hamlet é a coisa mais espetacular em William Shakespeare, benzinho..." "Nossa, estou encantado com você... A cada dia você me surpreende mais..." "Agora você veja só hein?! Temos que agir, bebê!" "Lê, quando eu sou bom, eu sou maravilhoso... Mas quando eu sou ruim, sou melhor ainda!" "Ui, ovulei... Taí, gostei..." (beijos)
Grazielle e Victor vão à casa de Isadora. Ela atende: "Oi, galera, pode entrar... Fica a vontade!" Grazi: "Isa, nós viemos falar do Mauro..." "Ai não, gente! Se foi ele que mandou vocês..." Victor: "Não foi ele. Pra falar a verdade ele saiu de lá de casa faz uma hora mais ou menos e foi pra casa da Letícia..." "Nossa... Já estão assim?!" Grazi: "Não, sua tonta! Foi lá tirar satisfações com ela de porque ela e Fernando, o bonzinho, armaram um plano, puseram sonífero na bebida dele e deram o velho golpe da ex que deita com o homem desacordado pra atual dar o flagrante..." "Como é que é?" "Pois é... Você foi muito inocente, Isa! Minha amiga, se você quer disputar o Mauro, tem que primeiro confiar nele! Ele te ama, Isadora! Você acha que ele ia dar a bobeira de te deixar pegá-lo com a outra numa festa como a de ontem, Isa? Acorda!" "Nossa, eu fui tão grossa com ele... E ainda deixei o Fernando durmir lá em casa..." Victor: "Oxi!" "Ai, que idiota! Como eu fui cega!" Grazi: "Bem, é melhor vocês conversarem... Lá vem ele, oh, na janela..." Victor: "Amor, vamos?! Os pombinhos devem ficar sozinhos..." "Claro!" Isa: "Valeu, gente! Sem vocês, eu nem sei..." "Que nada! Oh, juízo hein?! Confie nele, boba! Ele te ama..." Victor e Grazi vão embora...
Sem nem falarem nada, Isa e Mauro se abraçam. Ela: "Meu amor, desculpa por..." "Sh.... Não fala nada! Você não tem o que se desculpar... Eu é que te peço desculpas por não ter desconfiado daqueles dois antes..." "Não, pára!" "É sério... Minha vontade é..." "O que importa é que eles não conseguiram... O nosso amor é maior do que tudo!" (Beijo)
Isa: "Promete que você nunca vai me deixar?" "Só se você prometer nunca mais duvidar de mim..." "Tá bom, eu prometo!" "Eu também prometo!" (Beijo)
-------------------------------------------------
Duas semanas após...

No último horário da faculdade, Grazi sente um mal-estar. Ela vai ao banheiro e vomita. Grazi se sente tonta e liga para o namorado. Victor leva Grazi pro hospital. O médico pede uns exames e dá o veredicto: gravidez! Eles ficam apavorados com a situação! Dois jovens de 23 anos, ainda cursando faculdade, devem se preparar para serem papai e mamãe...

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Capítulo XI -Mendacium habet crus parvum

(Participações em co-autoria: Gaby Soares, Lu Peixoto e Sheila Teixeira)

video

14h. Mauro ainda estava deitado na cama. O advogado não acreditava que tudo aquilo estava acontecendo em sua vida. Depois de ter chorado por alguns minutos, ele resolve fazer algo. Tomaria um banho e iria à casa de Grazi. Junto a seus amigos, ele encontraria alguma solução. Mauro leva uma meia hora debaixo do chuveiro. A água caía sobre seus ombros e nuca e pareciam massageá-lo. Seu corpo ainda sentia alguns efeitos da droga. Ele estava um pouco tonto e não lembrava de absolutamente nada da noite passada.

Enquanto isso, Grazi e Victor estudam Psicopatologia Geral. O casal teria prova na faculdade de Psicologia no dia seguinte. Grazielle não consegue se concentrar. A universitária detestava aquela disciplina e não estava se sentindo muito bem naquele domingo.

A campainha da casa de Mauro toca. Ele se enxuga rápido e vai de toalha até a porta. "Olá, Mauro... Desculpe incomodar, mas eu ouvi a sua discussão com a Isadora mais cedo. Impossível não ouvir, somos vizinhos... Vim conversar um pouco... Quer desabafar?" Marianne era vizinha de Mauro há anos. Dentista, era uma mulher linda, inteligentíssima e muito decidida. Não escondia de ninguém a sua atração por Mauro. O professor mexia com a imaginação dela, e em algumas ocasiões havia inclusive ficado sem graça com suas investidas.

Marianne não era casada, mas namorava Leonardo. O casal vivia num relacionamento reconhecidamente aberto. Moravam juntos, mas ambos tinham seus casos e nenhum dos dois se importava. Quem ela queria mesmo era o advogado, e ela se fazia de amiga de Isadora com todas as más intenções possíveis! Marianne tinha um corpo invejável e todos os homens do condomínio se perguntavam porque ela vivia com um homem tão feio como Leozinho...

"Boa tarde, Marianne... Desculpa, mas eu acabei de sair do..." Marianne empurra o professor e entra antes que ele termine de falar. Mauro fica um tanto incomodado com a atitude invasiva da dentista. "Mauro, você se separou mesmo? Eu vi a Isadora indo embora com mala e tudo..." "Eu ainda não sei... Estou meio zonzo pela noite anterior ainda e..." "Ah, sabia que você tinha feito algo! Bebeu demais e fez coisa que não devia né?!" "Pior que não... Estou sendo acusado de algo que não fiz..." "Ah, todo homem fala isso..." "Eu não sou "todo homem", Marianne..." "Eu não quis dizer isso... Me desculpe..." "Tudo bem... Me dá um segundo... Preciso me trocar... Já falo com você..." "Okay... Ficarei aqui na sala te esperando..."

Mauro vai ao quarto. Ele precisava correr! Mudar de roupa e ir logo pra casa de Grazielle. O tempo passava e os minutos sem Isadora lhe doíam... Mauro veste a primeira calça que encontra. Enquanto ele vai ao banheiro passar desodorante, a vizinha mais que depressa vai ao seu quarto. Quando Mauro volta pro quarto, ainda sem camisa, a encontra sentada em sua cama. "Nossa, você é lindo! Esse peito, esse corpo... (Marianne suspira...) Sempre desejei que você fosse meu..." "Cara, você é uma mulher linda, mas eu..." Antes de terminar a frase, Mauro é jogado na cama por Marianne.
Mais que depressa, ela acaricia o peito do professor e beija o seu pescoço. Mauro pensa em Isadora e começa a ceder às provocações da dentista... Ele a segura e vira, ficando por cima dela. Mauro a beija, quando o telefone toca. Era Victor, perguntando que horas ele iria pra lá... Mauro cai em si do que houvera começado a fazer e pede desculpas a Marianne, que fica decepcionada. Sem perder mais tempo, ele corre para a casa de Grazi.
"Entra, amigo!" diz a namorada de Victor. "Gente, me ajuda..." "O que houve, cara, você tá com uma cara péssima..." "Lembra ontem que a Isadora saiu arrasada daqui?" "Hum..." "Segundo ela, ela me pegou na cama com a Letícia..." "Ai!" Victor: "Pow, que mancada hein, cara?!" Grazi: "Mas logo com a Letícia, Mauro?" "Aí é que mora o perigo..." Mauro se senta.
"Eu não me lembro nem de ter encontrado com a Letícia lá em cima..." "Como assim não lembra?" "Ai, Grazi, não melbro! Só o que sei é que fui ao banheiro lavar o rosto e... puf! Apaguei... Depois disso só me lembro de hoje..." "Estranho! Essa história tá muito mal contada..." Victor: "Mauro, você não precisa esconder nada da gente..." "Poxa, galera, eu amo a Isadora! Vocês me conhecem... Sabem que eu não faria uma coisa dessas..." Grazi: "Isso é né?! Ainda mais você do jeito que gosta dela..." "Pois é, querida... Até que enfim alguém pra me ajudar!" Victor: "Eu também confio em ti, brother, mas... Como que do banheiro você foi parar no quarto da Ju, que é no segundo andar?" Grazi: "Isso tá me cheirando..." "Óbvio que foi trabalho da Letícia! Não resta dúvidas..." "Mas, Maurinho, ela não aguentaria te levar até lá... Ainda com um lance de escadas..." "E você duvida que Fernando não tá metido nisso? Eu bem que achei estranho esse envolvimento deles..." Grazi: "Mas e o sono?" Victor: "Epa, essa eu desvendo!!! Será que a gente foi tão idiota que não viu acontecer embaixo de nossos próprios olhos o velho e bom truque do Boa noite Cinderela?"
Mauro: "Ah, peraí, galera... Será que eles foram capazes de ir tão longe?" Grazi: "E se eu disser que vi a Letícia na cozinha minutos antes com um copo igual na mão?" Victor: Essas duas cobras foram ingênuas em deixar pistas... Eu vi o Fernando com o seu copo... Ele tava com uma cara de nervoso..." "Ponto nosso! Meu amigo, mistério desvendado..." Mauro: "Só sei de uma coisa... Eu mato aquela louca! Se ela acha que isso foi o suficiente... Ela vai ter que fazer muito mais para nos separar..." Grazi: "O que que você tá pensando em fazer?" "Primeiro vou lá falar com ela. Dar um sacode naquela maluca!!!" Victor: "Vai com calma, Maurinho! Se ela foi capaz de fazer isso, ela pode fazer muito mais pra separar vocês..." "Usando uma frase da Isa: ela que tente! Pra defender o que é meu, luto com unhas e dentes..." "Tá bom, mas calma..." "Valeu, gente! Valeu mesmo... Vou lá..."
18h. Mauro chega na casa de Letícia e toca a campainha. Ela abre um sorriso e pergunta: "Você por aqui?".